Milão-San Remo: Em Italiano também chamada de "La Classicissima"

Com ventos favoráveis de até 30 km/h a Classissima deste ano promete ser uma corrida rápida. Quer dizer, tao rapida quanto uma corrida de quase 300 km pode ser. :-) Este é O monumento mais longo do ano, Milão-San Remo. A corrida italiana está de volta ao seu lugar original depois de ter ocorrido em outubro do ano passado (2020) devido à pandemia de Covid-19.

A corrida do Tour Mundial UCI é a mais longa dos clássicos de primavera, proporcionando uma vitrine de alguns dos melhores pilotos do mundo ao longo dos 299 km.

A corrida está agora em seu 112º ano, e espera-se que atraia todos os maiores nomes do esporte, especialmente este ano, já que os pilotos procuram fazer a maior parte do seu tempo de corrida com a chance de que as corridas possam ser canceladas a qualquer momento graças a o vírus.

A versão feminina - Primavera Rosa - aconteceu entre 1999 a 2005, mas foi cancelada pela UCI em 2006. A primeira edição, em 1999, foi ganha pela italiana Sara Felloni e a última, em 2005, pela alemã Trixi Worrack.

A rota de 2021 foi revelada e está de volta ao seu final normal com os 60 km finais passando por Capo Mele, Capo Cervo, Capo Berta, Cipressa e Poggio di Sanremo.

No percurso deste ano o Colle del Giovo foi adicionado em vez do habitual Passo del Turchino, já que a famosa subida está bloqueada por um deslizamento de terra que não será limpo antes da corrida começar. Haverá cerca de 112 km a percorrer depois de passarem o topo de Giovo para voltar à rota tradicional que termina na Via Roma em San Remo.

A história da corrida

Apesar de ser conhecida como a 'Clássica dos Velocistas ', a corrida italiana não seria tão prestigiosa quanto é se fosse uma procissão e uma corrida rápida. Em vez disso, a corrida é caracterizada por sua extensão tortuosa, final emocionante e um equilíbrio entre velocistas e atacantes.

A introdução de La Manie em 2008 deu a vantagem de atacar cedo, com uma subida difícil e significativamente posicionada para ganhar vantagem sobre aqueles que esperavam por uma corrida mais "fácil". A La Manie contribuiu para um punhado de finais emocionates - Fabian Cancellara venceu de um ataque solo em 2008 e Simon Gerrans de um grupo de três em 2010. Em 2011 e 2013 um grupo de sete disputou a finalização, vencida por Matt Goss e Gerald Ciolek respectivamente.

Quando La Manie foi descartada em 2014, a intenção inicial dos organizadores era tornar o percurso ainda mais difícil, substituindo-a pela Pompeiana. Mas essa subida foi considerada insegura devido à possibilidade de deslizamentos de terra, portanto, desde 2014, a corrida não apresentou nenhuma das duas subidas.

Depois que Alexander Kristoff venceu o sprint de um pelotão considerável em 2014, o final foi movido de volta para sua tradicional reta de chegada da Via Roma, e John Degenkolb triunfou em 2015 e Arnaud Démare em 2016.

Para os ousados ​​e corajosos, o Cipressa oferece uma possibilidade de ataque a pouco mais de 20 km do final, mas para os mais realistas, o Poggio é a melhor chance.

Depois de mais de 280 km de corrida, os ciclistas estão exaustos ao alcançá-la e, com pico a 5,5 km da chegada, o primeiro que chegar ao fim da subida com uma certa vantagem tem a chance de descer e segurar os velocistas pela vitória na Via Roma.